Patrística e Escolástica

O que foi a Patrística? O que foi a Escolástica? A Patrística e a Escolástica são duas correntes filosóficas nascida no período medieval e tem como fundamento os aspectos e princípios que movem a Filosofia Medieval.

Patrística

A Patrística trata-se da filosofia cristã dos primeiros séculos daquele período, em que se procurou elaborar os fundamentos da doutrina das crença religiosas do cristianismo, na defesa dos ataques da filosofia pagã e contra as heresias nas interpretações das Escrituras.

Assim, há uma convergência da filosofia grega ao cristianismo de modo que, garantido os termos e as intenções, a distinção entre elas quase desapareça. Para a Filosofia dos Padres da Igreja, a verdade, tal qual no modelo grego, apresenta-se com o mesmo movimento sobre as verdades contidas na fé cristã. Por isso, a intenção maior da filosofia cristã era “justificar a fé pela razão”. Entre os seus representantes, Agostinho de HIpona ou Santo Agostinho foi o grande influenciador dessa corrente filosófica.

Escolástica

A Escolástica tem seu significado com base no termo latino scholasticus que designa aquele que ensina filosofia ou professor das artes liberais. A Escolástica, portanto, se refere à Filosofia da Escola. A questão fundamental dessa filosofia era levar ao humano a compreensão da verdade revelada, em que, no exercício da atividade racional, a razão possa ter acesso às verdades da religião cristã. Todavia, somente a razão não seria possível executar tal tarefa, por isso, com o auxílio da tradição religiosa e da filosofia, a escolástica procurou demonstrar e esclarecer os limites em que a razão atua, e a orientou, dentro da doutrina cristã e dos princípios filosóficos, ora platônicos; ora aristotélicos, o arsenal de pensamentos que poderiam levar a razão à incredulidade ou às heresias. Tomás de Aquino e Guilherme de Ockham serão os maiores representantes do pensamento escolástico.