O que são os métodos para o conhecimento? O método são, de fato, princípios a serem seguidos pela razão e tem por principal finalidade de pô-la no bom caminho para o alcance da ciência, escapando assim dos erros que outros homens cometeram com o seu mau uso.

René Descartes foi autor do método cartesiano. Em sua obra o Discurso sobre o método, Descartes procurou, não somente por termo a uma velha ciência medieval, mas também a intenção de estabelecer um caminho para que uma nova ciência possa avançar sobre o conhecimento.

Descartes não quis ensinar nenhuma regra para que se alcance o conhecimento, mas apenas demonstrar como conduziu a sua razão na busca dele. Em si mesmo o método é de uma ordem lógica bem simples e fácil execução. São quatro regras ou princípios inspirados na geometria que devem ser postas em práticas efetivamente:

(i) Clareza e Distinção; (ii) Análise; (iii) Ordem; (iv) Numeração.

Ao propor as quatro regras, Descartes estabelece movimentos importantes para a compreensão de seu projeto: o primeiro, seria o afastamento das certezas e verdades, que passam a ser consideradas opiniões de caráter duvidoso. O fio condutor da razão é a condição inicial para a construção do saber. Nele, Descarte propõe a unidade do saber a partir da unidade do intelecto. Isso significa dizer que a ciência, a partir do método, deixa de ser acúmulos de opiniões e passar ser construída a partir de fundamentos metodicamente estabelecidos e seguidos de deduções também metodicamente conduzidas.

A evidência (clareza e distinção) a que Descartes se referiu em sua obra seria puramente intelectual ou metafísica, nada tendo a ver com os sentidos, aquela de origem física. Ou seja, um ato intuitivo que nasce de uma mente pura, atenta, exata e que se apresente imediatamente sem deixar nenhuma dúvida.

O método teve como primeiro passo o conhecimento intuitivo de certas verdades que se apresentaram à razão, todavia, esse primeiro conhecimento se estendeu às verdades que dependem dele. De fato, as regras são procedimentos racionais simples que se constituem pela disjunção das partes do objeto para que possa ser compreendido mais facilmente.

Assiste à vídeo-aula: