A Filosofia Contemporânea tem como fundamento de reflexão as questões que envolvem a contemporaneidade. A partir de Nietzsche, grandes filósofos inauguraram os debates acerca das heranças do pensamento moderno. Questões de ordem metafísica agora passam a ser compreendidas por questões de ordem ontológicas; assim como, o papel da lógica e do método científico são postos em debates, em que expoentes pensadores como Karl Popper e Edgar Morin emergem como grandes críticos do pensamento científico.

Na política, Hannah Ardent, Foucault, Habbermas, passam a dar novos significados às questões que orientam as relações de poder na contemporaneidade, assim como, Adorno e Horkheimer despertam uma crítica singular nas questões cultural que envolvem as questões entre a cultura e o capitalismo, com base nas questões levantadas por Karl Marx, ao final do século 19. Sartre e Simone de Beauvoir emergem nas questões do Ser Existencial e suas implicações diante de uma sociedade dogmática e moralista.

A Filosofia Contemporânea abre o debate nas mais diversas áreas do pensamento humano e busca compreender quais os aspectos que orientam o pensamento contemporâneo e suas implicações ao desenvolvimento humano.

Revista Virtus

A banalidade do Mal de Roberto Alvim

Os recentes acontecimento ocorridos no governo federal acerca do desconcertante pronunciamento em vídeo do Secretário Roberto Alvim, do alto escalão do governo na área cultural, contendo um plágio (pra não dizer descarada cópia) do importante membro da liderança nazista Joseph Goebbels, espantou a todos, inclusive a mim. Independente das questões que envolvem o governo que… Ler mais

O que é a vida?

Às vezes, as pessoas me procuram para me perguntar sobre a vida. Algumas delas acham que eu, como filósofo, poderia ajudá-las a compreender os momentos que elas atravessam nos seus relacionamentos pessoais, e quando digo aqui relacionamento não me referindo apenas aos amorosos, digo relacionamentos pessoais gerais, como a amizade, o trabalho, a família etc.… Ler mais